Blog

Confira nossas novidades e assine nossa newsletter!

Assine nossa Newsletter

Veja outros Posts

Entenda como funciona um planejamento iterativo e incremental

Entenda como funciona um planejamento iterativo e incremental

Entenda como funciona um planejamento iterativo e incremental

  • 24/9/2018
  • Robson Camargo

 

Você já deve ter lido que o Scrum, como todos os processos ágeis, é iterativo e incremental. Mas você sabe o que isso significa?

Pois bem, estes são alguns dos termos e expressões que você precisa saber o que são, tanto para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores, stakeholders e investidores.

O que é incremento?

O desenvolvimento Iterativo e Incremental é um modelo de processo de desenvolvimento de software. Falando assim, parece difícil entender o que é incremento, não é mesmo?

O modelo iterativo e o modelo incremental são bastantes famosos.

No modelo de processo de software incremental tem-se a ideia de se desenvolver uma implementação inicial, apresentá-la ao usuário e evoluir o software ao longo do tempo de acordo com o feedback do usuário.

Cada incremento representa um subconjunto completo de funcionalidades. O incremento pode ser pequeno ou grande, e pode variar de uma simples tela de login a um conjunto altamente flexível de telas de gerenciamento de dados.

O processo iterativo é aquele que progride através de refinamentos sucessivos. A equipe de desenvolvimento apresenta uma parte de um sistema, ciente de que está incompleto ou deficitário em algumas (talvez muitas) partes.

A equipe então refina estas partes até o produto apresentar um nível satisfatório. A cada iteração, o software é melhorado através da adição de um maior nível de detalhe.

Ou seja, um processo iterativo é aquele que faz progresso através de tentativas sucessivas de refinamento. Por exemplo, uma equipe de desenvolvimento faz sua primeira tentativa para construção de um software, porém, existem pontos de informação falhos ou incompletos em algumas partes.

A equipe de forma iterativa refina essas partes até que o produto esteja satisfatório. Com cada iteração, o software é melhorado através da adição de mais e mais detalhes.

O modelo iterativo, muitas vezes, é confundido com o modelo incremental. Um processo de desenvolvimento de software é incremental quando a cada rodada é desenvolvido um pedaço inteiro do software.

Já no iterativo, a cada iteração, se avança no conhecimento do projeto, novos requisitos são elicitados e a arquitetura do software é revisada. No modelo incremental, necessariamente teremos entrega de software ao término de uma iteração, o que não é verdade para o modelo iterativo.

Explicando de uma outra forma: por exemplo, alguns projetos de software definem muito bem os requisitos iniciais. Pode ser necessário o rápido fornecimento de um determinado conjunto funcional aos usuários, para que após esse fornecimento, possamos melhorar e expandir suas funcionalidades em versões de software posteriores. Nesses casos, podemos optar por um modelo de processo de desenvolvimento incremental.

Compreendeu agora porque o Scrum e Ágil são tanto incrementais, quanto iterativos. São iterativos por que o trabalho realizado é sempre melhorado em ciclos subsequentes. São também incrementais, por que o trabalho planejado é entregue em partes que são adicionadas ao todo do projeto.

Conseguiu entender? É isso mesmo que você pensou: cada fase dá uma incrementada no produto!

 

 

Mas você ainda pode perguntar: o que vem a ser inovação incremental?

A inovação incremental é aquela em que o novo produto incorpora alguns novos elementos em relação ao anterior, sem que, no entanto, sejam alteradas as funções básicas do produto.

Este exemplo que encontramos no portal naprática.org ilustra bem este termo:

“Não basta fazer igual. A inovação incremental é uma melhoria em cima de outra inovação. Também pode ser chamada de “inovação marginal” ou “inovação de sustentação”. Para entender onde está a inovação incremental, é só pensar nas diferenças entre um Ford T de 1908 e o modelo mais recente da Lamborghini. A principal tecnologia por trás dos dois carros é essencialmente a mesma: um veículo com um motor de combustão interna que pode ser dirigido por aí. O resto é inovação incremental.”

E qual a diferença entre inovação radical e incremental?

Uma inovação radical é o resultado de muito desenvolvimento e pesquisa sobre um determinado tema ou desafio. Normalmente, ela engloba o uso de uma ou mais tecnologias, visando à resolução de problemas antigos ou que não estão sendo corretamente abordados.

As inovações radicais, geralmente vistas como revolucionárias, podem abrir espaço para o surgimento de novos modelos de negócios. Um exemplo é o emprego de Cloud Computing (computação em nuvem), que possibilitou pequenos negócios a acessar servidores remotos mais seguros. Dessa forma, eles podem salvar seus dados e utilizar sistemas online mais eficientes.

Ao mesmo tempo que a inovação radical gera uma grande transformação tecnológica, operacional ou estrutural, criando ou mudando profundamente negócios já existentes, ela também gera resistências, pois nem todos veem as mudanças como positivas.

Porém, segundo o PMBOK do PMI (2013), um gerente de projeto deve ser aberto à inovação para construir confiança.

Muitas vezes o gerente de projeto tem que gerenciar projetos que envolvam novos produtos e serviços, que por seu caráter inovador podem enfrentar resistências para seu desenvolvimento.

Cabe aos gerentes de projetos avaliar as estratégias mais adequadas a cada caso, conforme o tipo de inovação e o contexto em que esta se insere.

Gostou deste artigo? Ainda está com alguma dúvida? Manda pra gente!

E agora fique com um vídeo no qual explico a diferença entre os métodos ágeis e o método cascata:

 

Sobre o autor

Robson Camargo, PMP, MBA, GWCPM, ASF é professor nos cursos de MBA das Principais Escolas de Negócio do País: FGV, Fundação Dom Cabral e FIA/USP com Certificação PMP – Project Management Professional emitida pelo PMI, MBA em Administração de Projetos pela FEA/USP e Master Certificate pela George Washington. Robson Camargo é autor do livro PM VISUAL e criador do Método PM VISUAL. Sua equipe realiza treinamentos e consultorias em empresas do Brasil e exterior. Robson Camargo está à frente da RC Robson Camargo – Projetos e Negócios, há mais de 11 anos.

As marcas PMP, PMI, PMBOK e a logomarca “REP” RegisteredEducationProvaider são marcas registradas do Project Management Institute, Inc.

 

Deixe seu Comentário

Agenda

Confira nossa programação!

Sobre

É uma empresa de Educação Corporativa oficialmente homologada pelo PMI com o selo de R.E.P. (Registered Education Provider), alinhada com o Triângulo de Talentos do Gerente de Projetos

Você também pode se interessar

Newsletter