Blog

Confira nossas novidades e assine nossa newsletter!

Assine nossa Newsletter

Veja outros Posts

Diagrama de causa e efeito: como usar a metodologia dos 6Ms?

Diagrama de causa e efeito: como usar a metodologia dos 6Ms?

Diagrama de causa e efeito: como usar a metodologia dos 6Ms?

  • 15/11/2018
  • Robson Camargo

 

O Diagrama de Ishikawa, também conhecido como Diagrama de Causa e Efeito ou Diagrama Espinha de peixe, é um gráfico cuja finalidade é organizar o raciocínio em discussões de um problema prioritário, em processos diversos, especialmente na produção industrial.

O propósito do Diagrama de Causa e Efeito é descobrir os fatores que resultam em uma situação indesejada na organização. Por ser uma representação visual, ele auxilia a equipe a chegar nas causas-raiz que diminuem a produtividade da organização.

O que é diagrama de causa e efeito Ishikawa

O diagrama foi criado pelo engenheiro químico Kaoru Ishikawa, no ano de 1943, e também pode ser chamado de diagrama de espinha de peixe ou 6M. Esses nomes se justificam devido ao objetivo, formato e categorias do próprio método.

O diagrama de causa efeito considera que os problemas sejam classificados em seis categorias de causas, os famosos 6M:

- Método

- Matéria-Prima

- Mão de obra

- Máquinas

- Medição

- Meio Ambiente

Que são assim explicados:

Método

Nesta categoria serão inseridas as causas relacionadas às melhores práticas e procedimentos utilizados para executar o trabalho. Os problemas podem ocorrer devido a metodologia aplicada de forma incorreta, ou seja, quando o efeito indesejado é consequência da metodologia de trabalho escolhido. Devemos nos questionar o quanto a forma de trabalho influenciou o problema.

Matéria-Prima

Nesta categoria devem ser adicionadas causas que envolvam o material utilizado no trabalho. Os problemas podem surgir devido à inconformidade técnica ou pela qualidade exigida para realização do trabalho.

Devemos nos questionar se o material utilizado pode ter influenciado o trabalho, se o material tinha boa qualidade, ou se foi proveniente de um fornecedor homologado.

Mão de obra

Esta categoria mostra as causas que envolvem atitudes e dificuldades por parte do colaborador como por exemplo: procedimento inadequado, pressa, imprudência, ato inseguro, desleixo, falta de qualificação, dentre outros.

Devemos nos questionar se o colaborador está preparado e bem treinado, se sua atitude está adequada ou se há falta de experiência.

Máquinas

Nesta categoria encontramos as causas que envolvem tudo que está relacionado com maquinário do processo. Muito problemas são derivados por falhas de máquinas, podendo ser causados devido à falta de manutenção regular ou mesmo se for operacionalizada de forma inadequada. Devemos no questionar se houve problemas com máquinas e equipamentos em geral.

Medição | Medidas

Esta categoria é preenchida com as causas que envolvem os instrumentos de medida, sua calibração, a efetividade de indicadores em mostrar as variações de resultado, avaliações de forma incorreta, se o acompanhamento está sendo realizado, se ocorre na frequência necessária etc. Problemas podem aparecer quando o efeito é causado por uma medida tomada anteriormente para modificar processo.

Devemos questionar se as métricas que usamos para medir o trabalho estão adequadas.

Meio Ambiente

Nesta categoria temos as causas relacionadas às questões do trabalho como local, calor, layout, poluição, poeira, falta de espaço, dimensionamento inadequado dos equipamentos, dentre outros. O ambiente pode favorecer a ocorrências de problemas. Devemos nos questionar se houve alguma influência do meio ambiente na ocorrência do problema. 

Como fazer diagrama de causa e efeito

Para montar o Diagrama de Ishikawa é muito simples, você precisará definir claramente qual o problema será estudado e posicioná-lo na “cabeça do peixe”. Em seguida, agrupar as informações e classificá-las, definindo a qual Causa está ligada.

É importante também que se estratifiquem as Causas Primárias e as Secundárias, para melhor organização das informações e aprofundamento do estudo. A partir daí é só montar um plano de ação para a solução do problema.

Em termos práticos o gestor de projeto deve encontrar, em conjunto com os restantes elementos da sua equipa, e com outros interessados no projeto, qual é o conjunto de causas básicas (grandes causas) que é relevante no contexto específico do projeto que está a realizar.

A construção do diagrama de causa e efeito é algo que se adapta particularmente bem e pode ser realizado no âmbito de uma, ou várias, sessões de Brainstorming.

Como ferramenta de suporte para a construção do diagrama, pode ser usado um simples quadro branco e canetas de várias cores.

Se a equipe de projeto ou os demais interessados estiverem dispersos geograficamente, pode usar-se o MS Word ou fazer um diagrama de causa e efeito no excel, ou recorrer a um software um pouco mais específico, como por exemplo o MS Visio.

Seja qual for o suporte usado, devem ser seguidas as seguintes regras básicas:

Passo 1 – Determine o problema que a sua empresa quer resolver

É importante que você utilize apenas um problema por vez no diagrama de ishikawa. Além disso, ao escrever o problema na planilha, não utilize palavras vagas ou frases grandes, seja objetivo e pontual.

Passo 2 – Liste as causas que podem ter gerado esse problema

Agora você vai ter que listar todas as causas que podem estar gerando esse problema.

Um ponto importante é delimitar notas para cada uma dessas causas, com o objetivo de encontrar quais são as causas mais relevantes e que impactam de maneira mais direta para o problema em questão.

Passo 3 – Faça o diagrama de espinha de peixe

Se você tiver feito um bom trabalho de levantamento das causas, poderá ter uma bela visualização do seu diagrama de espinha de peixe.

Essa representação é uma maneira simples de você analisar quais itens são relevantes e quais não são.

Passo 4 – Crie ações para resolver as causas mais importantes

Agora é o processo bem simples, você precisa criar planos de ação para resolver ou melhorar a forma como as causas levantadas ocorrem. Para isso, um primeiro passo é a criação dessas atividades e o registro de uma equipe responsável para realizar aquela ação.

Dessa forma, é possível criar e controlar problemas, suas causas e as ações necessárias para melhorar a gestão do seu negócio com uma planilha de excel.

Quais benefícios o diagrama de causa e efeito traz para a organização?

Por ser uma ferramenta visual, ele é muito utilizado para auxiliar na organização e no raciocínio da equipe. Por ser uma representação gráfica simples de ser construída e de fácil entendimento, traz inúmeros benefícios para a organização e para a equipe que a utiliza. Alguns desses benefícios são:

- Melhor visibilidade dos problemas

- Identificação das possíveis causas

- Hierarquização das causas encontradas

- Registro visual que facilita futuras análises

- Aperfeiçoamento dos processos

- Exploração dos desdobramentos do problema

- Envolvimento de toda a equipe na gestão da qualidade

- Organização das ideias do grupo

O Diagrama de Ishikawa e efeito traz muitos benefícios para as empresas quando bem utilizado. Ele pode ser usado em conjunto com outras metodologias, como as reuniões de Brainstorming  (tempestade de ideias), que potencializam o rendimento dos encontros e ajudam a equipe a expor suas ideias e pontos de vista.

Portanto, é importante levar em consideração algumas limitações e requisitos para o seu bom desenvolvimento. Por exemplo, o método, por si só, não identifica a gravidade das causas. Além disso, ele precisa de pessoas organizadas, que saibam coordenar reuniões e que tenham características de liderança para desdobrar a ferramenta.

O Sistema permite estruturar hierarquicamente as causas potenciais de determinado problema ou oportunidade de melhoria, bem como seus efeitos sobre a qualidade dos produtos. Permite também estruturar qualquer sistema que necessite de resposta de forma gráfica e sintética (isto é, com melhor visualização).

Esse sistema de análise de causa e efeito pode ser aplicado em qualquer área do trabalho e permite maior entendimento sobre os processos, permitindo assim o desenvolvimento de mecanismos para superar problemas ou compreender como determinadas ações podem influenciar no seu produto final.

É um processo de grande importância para o desenvolvimento das ações de um grupo de trabalho, além, é claro, de garantir o melhor desenvolvimento de um projeto ou produto. Com a vantagem de poder ser aplicado em qualquer uma das fases de um projeto..

 

 

Sobre o autor

Robson Camargo, PMP, MBA, GWCPM, ASF é professor nos cursos de MBA das Principais Escolas de Negócio do País: FGV, Fundação Dom Cabral e FIA/USP com Certificação PMP – Project Management Professional emitida pelo PMI, MBA em Administração de Projetos pela FEA/USP e Master Certificate pela George Washington. Robson Camargo é autor do livro PM VISUAL e criador do Método PM VISUAL. Sua equipe realiza treinamentos e consultorias em empresas do Brasil e exterior. Robson Camargo está à frente da RC Robson Camargo – Projetos e Negócios, há mais de 11 anos.

As marcas PMP, PMI, PMBOK e a logomarca “REP” RegisteredEducationProvaider são marcas registradas do Project Management Institute, Inc.

Deixe seu Comentário

Agenda

Confira nossa programação!

Sobre

É uma empresa de Educação Corporativa oficialmente homologada pelo PMI com o selo de R.E.P. (Registered Education Provider), alinhada com o Triângulo de Talentos do Gerente de Projetos

Você também pode se interessar

Newsletter