Blog

Confira nossas novidades e assine nossa newsletter!

Assine nossa Newsletter

Veja outros Posts

Metodologia Agile: quais as mais utilizadas?

Metodologia Agile: quais as mais utilizadas?

Metodologia Agile: quais as mais utilizadas?

  • 8/8/2018
  • Robson Camargo

 

A partir do momento que uma empresa decide adotar a metodologia Agile, precisa ter consciência da grande mudança cultural que isto irá implicar. É importante saber que implementar uma metodologia desta natureza com sucesso, não será de um momento para outro, e deve ser algo aplicado em todos os níveis da organização.

A metodologia Agile ou Métodos Ágeis surgiu nos projetos de desenvolvimento de software, no entanto, hoje existe uma série de frameworks ágeis que podem ser utilizados em diversas outras áreas da empresa e na verdade já estão sendo usados por empresas de diversos segmentos.

O objetivo principal é trazer os benefícios ágeis para a gestão de projetos e, até mesmo, para a administração da própria empresa, pois o mercado altamente volátil de hoje exige respostas rápidas.

O que são as metodologias ágeis?

Um dos grandes problemas na gestão de projetos de desenvolvimento de software é atender as demandas de clientes de forma dinâmica, com alta produtividade e de modo flexível.

A metodologia Agile surgiu então como uma alternativa aos obstáculos enfrentados pelo desenvolvimento de software com a utilização de técnicas de gestão tradicionais.

Nesse modelo de gerenciamento é realizada uma abordagem iterativa, entretanto, diferentemente dos métodos utilizados anteriormente — nos quais todo o processo é documentado durante o planejamento —, nas Metodologias ágeis são realizadas etapas curtas para planejar,  desenvolver e entregar.

Porém, mais do que uma resposta de mercado, Agile metodologia basicamente são padrões que procuram acelerar o processo de desenvolvimento de um projeto, de forma coesa e funcional. A Matriz de responsabilidades ou RACI também é uma importante ferramenta de apoio no gerenciamento dos recursos humanos e das comunicações.

Tudo isso começou a se tornar popular por volta de 2001, quando um grupo de cerca de 20 especialistas se reuniu nos Estados Unidos para avaliar a forma como os seus projetos de software estavam sendo conduzidos.

Principais tipos de métodos ágeis

Daqui em diante abordaremos brevemente os principais tipos de metodologia agil aos quais uma empresa pode aderir (FDD, XP, MSF, DSDM e Scrum).

Vale salientar que não há a “melhor metodologia”, mas a solução mais adequada dentro do contexto da empresa.

Scrum

A metodologia Agile Scrum é, sem dúvida, o método mais usado nos dias de hoje, principalmente porque pode ser integrado a outros métodos ágeis com facilidade, aplicando-se não só ao desenvolvimento de softwares como a qualquer ambiente de trabalho.

Com foco na gestão do projeto, o Scrum tem como base o planejamento iterativo e incremental, que se dá, conforme já explicado, pelas reuniões conhecidas como Sprints — desta vez, abordaremos o conceito em detalhes.

Ele reitera, desde o início do projeto, a lista de funcionalidades a serem desenvolvidas — prática também chamada, no caso, de product backlog.

No andamento do processo, cada funcionalidade se torna um Sprint, cujos detalhes a serem criados e desenvolvidos passam do product backlog para o sprint backlog.

Do sprint backlog, as atividades são distribuídas entre os membros do Scrum Team, que devem desenvolvê-las dentro de um prazo que geralmente não leva mais de quatro semanas.

Ao final de cada sprint é realizada a sprint review meeting, uma reunião de alinhamento sobre o que foi entregue. A partir daí, começa-se a planejar o próximo sprint. Essas etapas acontecem sucessivamente até que o produto final esteja pronto para a entrega.

Diferentemente dos demais métodos, as metodologias agiles Scrum têm papéis muito bem definidos e absolutamente essenciais para o sucesso do projeto:

indivíduos e interação mais do que processos e ferramentas

software em funcionamento mais do que documentação

colaboração com o cliente mais do que contratos e negociações

respostas a mudanças mais do que planejamento

A única desvantagem do Scrum poderá ser o facto de não especificar deadlines em algumas tarefas, mas nesse ponto é possível mesclar com métodos mais tradicionais.

Feature Driven Development (FDD)

Criado em Cingapura, entre 1997 e 1999, o FDD é um método ágil que reúne as melhores práticas de outros métodos, como o Coad.

A sua premissa básica tem o foco em funcionalidades, o que permite à equipe do projeto realizar um planejamento incremental, isto é, por fases.

Esse tipo de atuação ajuda a dar agilidade ao desenvolvimento de soluções em ambientes de extrema incerteza, em que as mudanças são inevitáveis.

A programação FDD metodologia ágil começa com a visão global do negócio, já que esse método considera a soma de tudo mais importante que cada uma das partes separadamente.

Passa-se, então, para o detalhamento do produto com a subdivisão por áreas a serem modeladas, culminando na descrição de cada funcionalidade.

Por se tratar de uma ferramenta com foco no desenvolvimento — assim como o XP, que veremos a seguir —, o FDD pode ser perfeitamente integrado ao Scrum, outro método ágil muito utilizado que também tem foco no planejamento e na execução do projeto.

Assim como todos os demais métodos ágeis, o FDD também apresenta melhores práticas que visam criar o ambiente ideal para o desenvolvimento de projetos. São elas:

- Desenvolvimento por funcionalidades

- Um único programador é responsável pela funcionalidade desenvolvida

- Controle de qualidade em todas as fases do projeto

- Gerenciamento de configurações

- Integração contínua das funcionalidades

- Planejamento incremental

- Teste de software

 eXtreme Programming (XP)

Também criado na década de 1990, o eXtreme Programming, chamado de XP, é um método ágil com foco no desenvolvimento de softwares com base em três pilares: agilidade no desenvolvimento da solução, economia de recursos e qualidade do produto final.

Para chegar à excelência nos serviços prestados, uma equipe XP deve se basear em valores, isto é, um contrato de atitudes e comportamentos que levam ao sucesso.

Esses comportamentos e atitudes norteiam as ações da equipe XP em cada atividade a ser desempenhada, garantindo a integração e a sinergia necessárias para o bom desempenho. No caso, esses valores são:

- Comunicação

- Simplicidade

- Feedback

- Coragem

- Respeito

Além dos valores, a metodologia ágil XP também leva em consideração melhores práticas de trabalho, que têm como objetivo garantir a efetividade do trabalho da equipe XP, assim como a satisfação do cliente durante todo o processo de desenvolvimento. São elas:

- Cliente sempre à disposição

- Uso de metáforas

- Reuniões de planejamento (planning game)

- Reuniões diárias, de 15 minutos, para alinhamento (stand up meeting)

- Integração contínua dos módulos desenvolvidos

- Mudanças incrementais

- Entregas frequentes ao cliente (small releases)

- Design simples e funcional

- Testes de aceitação

- Refatoração (refactoring) ou melhoria contínua

Uma das desvantagens desta metodologia prende-se com o fato de os seus requisitos serem expressos em forma de testes, o que deixa pouca margem para escalabilidade.

Microsoft Solutions Framework (MSF)

O MSF é um dos métodos ágeis mais usados por se destinar ao desenvolvimento de soluções tecnológicas por equipes reduzidas, com foco na diminuição de riscos para o negócio e no aumento da qualidade do produto final.

O propósito é identificar as falhas mais comuns em projetos de tecnologia, mitigando-as e aumentando as taxas de sucesso de cada iniciativa.

Dessa forma, assim como metodologia ágil Scrum, o MSF tem mais foco na gestão do projeto do que no desenvolvimento da solução em si. As suas premissas são:

- Alinhamento da tecnologia desenvolvida com os objetivos de negócio do cliente

- Escopo bem estruturado e detalhado

- Desenvolvimento iterativo

- Gerenciamento de riscos

- Agilidade na resposta a mudanças

Assim como os outras metodologias Agiles, o MSF também tem melhores práticas que devem ser observadas pela equipe para atingir os níveis de excelência buscados:

- Comunicação aberta e transparente entre todos os envolvidos

- Visão compartilhada do negócio

- Equipe capacitada

- Atribuição de papéis e responsabilidades desde o início do projeto

- Entregas incrementais

- Flexibilidade para mudar sempre que necessário

- Qualidade das entregas

- Aprendizado constante com as experiências adquiridas

- Parceria com clientes internos e externos

Dynamic System Development Model (DSDM)

O DSDM é um dos métodos ágeis mais antigos empregados não só no desenvolvimento de projetos como no meio tecnológico.

Um tanto diverso dos demais métodos ágeis, ele é destinado ao desenvolvimento de projetos com orçamento fixo e prazos curtos, levando em consideração que o cliente não tem como saber quanto custará a solução final.

Entre as suas melhores práticas estão o desenvolvimento incremental e iterativo, a colaboração entre cliente e equipe, além da integração de funcionalidades, o que também vemos nos demais métodos ágeis.

Vale ressaltar que o DSDM diverge dos demais métodos ágeis tanto em sua estrutura, que é composta por processos interligados de modelagem, concepção, construção e implementação, como na gestão do tempo, que não é flexível, até permitindo que as funcionalidades mudem, mas desde que os prazos de execução continuem os mesmos.

 Outras Metodologias Ágeis

Além dos exemplos citados acima, existem muitas outras metodologias que podem ser consideradas ágeis. Entre as mais conhecidas, Kanban metodologia ágil eLean.

Se você já trabalha alguma delas, deixe nos comentários, pois isso pode ajudar na hora de escolher.

Fique agora com um vídeo sobre o papel do gerente de projetos nos Métodos Ágeis:

 

Sobre o autor

Robson Camargo, PMP, MBA, GWCPM, ASF é professor nos cursos de MBA das Principais Escolas de Negócio do País: FGV, Fundação Dom Cabral e FIA/USP com Certificação PMP – Project Management Professional emitida pelo PMI, MBA em Administração de Projetos pela FEA/USP e Master Certificate pela George Washington. Robson Camargo é autor do livro PM VISUAL e criador do Método PM VISUAL. Sua equipe realiza treinamentos e consultorias em empresas do Brasil e exterior. Robson Camargo está à frente da RC Robson Camargo – Projetos e Negócios, há mais de 11 anos.

 

As marcas PMP, PMI, PMBOK e a logomarca “REP” RegisteredEducationProvaider são marcas registradas do Project Management Institute, Inc.

 

Deixe seu Comentário

Agenda

Confira nossa programação!

Sobre

É uma empresa de Educação Corporativa oficialmente homologada pelo PMI com o selo de R.E.P. (Registered Education Provider), alinhada com o Triângulo de Talentos do Gerente de Projetos

Você também pode se interessar

Newsletter