Blog

Confira nossas novidades e assine nossa newsletter!

Assine nossa Newsletter

Veja outros Posts

Método cascata ou ágil: quando usar no gerenciamento de projetos?

Método cascata ou ágil: quando usar no gerenciamento de projetos?

Método cascata ou ágil: quando usar no gerenciamento de projetos?

  • 29/11/2019
  • Robson Camargo

 

O desenvolvimento ágil vem crescendo na preferência de várias empresas no setor de gerenciamento de projetos, por outro lado, há alguns projetos que só podem ser desenvolvidos pelo método cascata.

Quer entender quando escolher o desenvolvimento de um produto ou serviço pelo método tradicional (cascata) ou o método ágil se você quer um fluxo de trabalho sem problemas e mais produtividade?

O que é o método cascata?

O Método Cascata (modelo Waterfall), conhecido também como método tradicional, é uma forma de gerenciamento de projetos que utiliza fases sequenciais, longo planejamento, projetos com custos, escopo e cronograma fixos.

Utilizado desde a Segunda Guerra Mundial, esse método de gerenciamento vai abranger fases básicas que são: planejamento, execução, validação e entrega.

Com o tempo, o mercado também passou a chamar esse tipo de método de preditivo, porque com ele é possível estimar e prever o tempo e orçamento totais do projeto.

Nesse método, a fase de planejamento ganha grande importância no processo, todas os requisitos são analisados em todos os aspectos. 

Por ser realizado em etapas sequenciais, o método cascata prevê que o projeto só avance a partir do momento que uma etapa se finde, sendo que cada uma delas só poderá seguir a partir da aprovação dos stakeholders. 

No Método Cascata, projetos são executados a partir do acordo total dos desenvolvedores e clientes, que resolvem, logo no início, o que será entregue ao longo do ciclo de vida de um projeto.

Por esse formato mais engessado, o método cascata pode não ser tão interessante para projetos muito longos e complexos, que podem sofrer impactos em prazos, custos e qualidade.

Além disso, por ser mais rígido, as fases de testes no modelo cascata só ocorre já no final, ou seja, a equipe de desenvolvimento não vai saber se o que está sendo executado vai funcionar mesmo até chegar neste ponto.

Por outro lado, o método pode reduzir os riscos nos contratos de preço fixo, com um acordo de risco logo no início do processo. Além disso, por ter todos os detalhes bem planejados, é mais fácil de gerenciar.

 

Quais indicações para o uso do Waterfall?

O método cascata ou Waterfall é bastante indicado para projetos que têm requisitos bem definidos, no qual não são esperadas alterações. Além disso, também é possível usar o modelo cascata quando é preciso fazer adaptações ou aperfeiçoamentos em um produto ou serviço que já existe.

Por isso, no método cascata, um software também pode ser desenvolvido, especialmente quando são necessários passos bem previsíveis, quase como um roteiro para ser seguido, com uma abordagem sequencial e sistemática. 

Porém, por diversas necessidades de mudanças de requisitos, muitas empresas hoje optam pelo método ágil para desenvolver um novo produto ou serviço neste segmento.

Porém, alguns campos que exigem mais conformidade, como a medicina, aviação, processamento de alimentos podem se beneficiar com o modelo cascata, assim como o planejamento, infraestrutura e construção de cidades, como projetos de construção de pontes ou túneis.

Embora não seja uma regra, projetos dessa natureza, normalmente, são desenvolvidos pelo método cascata.

 

O que é método ágil?

Essa metodologia prevê diversas abordagens como o método ágil FDD, método ágil XP ou método agile Scrum, que usam ciclos incrementais e iterativos. 

No ciclo incremental são definidos intervalos de 2 a 4 semanas,  para planejar, definir, criar, testar e liberar as entregas. A partir de cada ciclo há uma validação de entrega, na qual é caracterizado o ciclo iterativo.

O principal foco do método agile no  project management é gerar valor ao cliente, com entregas mais rápidas.

A partir do início do projeto são realizadas reuniões diárias, que permitem que a comunicação entre todos os envolvidos -- gerentes, desenvolvedores, testadores e clientes -- seja mais transparente. 

Assim, o projeto é desenvolvido em frações, que são testadas e validadas no momento da entrega. A cada entrega há revisões e retrospectivas que garantem aprimoramento contínuo, seguindo necessidades de mercado e as exigências do cliente.

Alguns setores, como o desenvolvimento de software e de novos produtos, estão utilizando muito os métodos ágeis.

Pela necessidade de mudanças constante de requisitos, projetos de TI ou de desenvolvimento de softwares estão utilizando a metodologia ágil com mais frequência, desde os anos de 1990, quando foi lançado o Manifesto Ágil. 

Quando usar o Método Cascata?

 

  • Para processos muito bem documentados;

  • Se há certeza ou estabilidade de requisitos;

  • Quando tem restrições de orçamento e cronograma;

  • Se é mais adaptável para troca de equipes;

  • Há conformidade e requisitos regulamentares.

Quais as desvantagens do modelo cascata?

  • A fase de execução só ocorre após longo planejamento;

  • As entregas são mais lentas e não são priorizadas;

  • Projetos perdem no quesito transparência, devido ao excesso de documentação;

  • Escopo pode ficar engessado pois não permite mudanças ao longo da execução;

  • Método elimina um pouco o espaço para a criatividade; 

  • Muitas funcionalidades podem se mostrar desnecessárias ao longo da execução porque precisaram ser listadas no início do planejamento.

Quando usar o Método Ágil?

  • Quando é focado em gerar valor para o cliente logo no início em entregas fracionadas;

  • Quando o progresso é baseada no progresso incremental;

  • Adaptabilidade é uma característica desse tipo de desenvolvimento;

  • O Agile pode providenciar capacitação das equipes;

  • As equipes ágeis são auto-organizadas e motivadas, 

  • Comunicação é mais transparente;

  • Planejamento pode ser feito a cada sprint;

  • Garante que a qualidade seja mantida a cada entrega;

  • Reduz riscos durante o desenvolvimento;

  • Tempo para colocar sistema, serviço ou produto no mercado é muito mais acelerado.

Desvantagens do método agile

  • Requer um especialista para decisões de peso;

  • Não é muito útil para projetos pequenos;

  • As boas práticas da metodologia precisam ser seguidas para entrega de um bom resultado, caso contrário, projeto pode sair do rumo.

Resumo

Cascata (preditivo): requisitos fixos, executado uma vez para entrega do projeto inteiro, única entrega e com gestão de custos.

Ágil: requisitos dinâmicos, atividades repetidas até estar tudo correto, pequenas entregas frequentes, gerando feedbacks e valor para os clientes.

É possível um modelo híbrido de desenvolvimento?

Uma nova forma de desenvolvimento também está ganhando certa popularidade no gerenciamento de projetos, que tem adotado um modelo híbrido para desenvolvimento de um projeto, que tanto pode ser aplicado em uma fração do trabalho ou até mesmo de forma integral. 

Para mesclar o melhor dos dois mundo, alguns projetos podem caprichar na fase do planejamento e estimativas, assim como é feito no método cascata, mas também prever um ciclo de desenvolvimento com entregas fracionadas, ou seja, um desenvolvimento iterativo, próprio do método ágil.

Dessa forma, é possível trabalhar de forma mais segura, com passos bem marcados, porém, atendendo também aos requisitos de mercado e até mesmo das exigências do cliente, que podem ser alteradas em outras fases do projeto.

Caberá ao gerente de projetos analisar qual tipo de desenvolvimento será mais útil: cascata, ágil ou híbrido.

 

Veja esse vídeo, para atender melhor o assunto:

 

 

Sobre o autor

Robson Camargo, PMP, MBA, GWCPM, ASF é professor nos cursos de MBA das Principais Escolas de Negócio do País: FGV, Fundação Dom Cabral e FIA/USP com Certificação PMP® – Project Management Professional® emitida pelo PMI®, MBA em Administração de Projetos pela FEA/USP e Master Certificate pela George Washington. Robson Camargo é autor do livro PM VISUAL e criador do Método PM VISUAL. Sua equipe realiza treinamentos e consultorias em empresas do Brasil e exterior. Robson Camargo está à frente da RC Robson Camargo – Projetos e Negócios, há mais de 11 anos.

 As marcas PMP, PMI, PMBOK e a logomarca “REP” Registered Education Provaider são marcas registradas do Project Management Institute, Inc.

Deixe seu Comentário

Agenda

Confira nossa programação!

Sobre

É uma empresa de Educação Corporativa oficialmente homologada pelo PMI com o selo de R.E.P. (Registered Education Provider), alinhada com o Triângulo de Talentos do Gerente de Projetos

Você também pode se interessar

Newsletter

Fale com a gente!